Mochilão pelo Brasil: por onde passar?
30 de novembro de 2020
VIAGENS AÉREAS E A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS
11 de dezembro de 2020

Salvador é a cidade mais exótica que você pode conhecer sem sair do país. É um lugar onde os outros brasileiros se sentem um pouco estrangeiros, ao mesmo tempo em que descobrem o Brasil mais essencial.

Qualquer atividade que em outras cidades seria corriqueira – ir à praia, comer, participar de uma festa – em Salvador se torna uma experiência cultural, tantos são os signos estritamente locais.

Nos últimos anos, uma série de obras de requalificação urbana (incluindo uma linha de metrô ao aeroporto) devolveram a auto-estima que a cidade parecia ter perdido. Salvador está de novo cheia de si — ainda mais depois de meses em cartaz no horário nobre com ‘O Segundo Sol’.

Se não bastassem todas as suas atrações, Salvador ainda pode ser combinada na mesma viagem com alguma praia próxima, no Litoral Norte ou na Costa do Dendê

Quando ir a Salvador

 

A melhor época para ir a Salvador é entre dezembro e o Carnaval, quando o tempo fica mais firme e a cidade está em sua plenitude.

A época a evitar é o período entre abril e maio, quando chove muito mais do que um visitante pode merecer.

Veja como se comporta o tempo (e o calendário de festas) ao longo do ano:

Dezembro, janeiro e fevereiro

A festa de Santa Bárbara (Iansã no candomblé), dia 4 de dezembro, é a primeira da temporada das festas de largo (leia mais aqui). A festa é no Pelourinho — começa com uma missa na igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (aquela azulzinha bem no largo).

Quatro dias depois, dia 8 de dezembro, é a vez de Nossa Senhora da Conceição da Praia (Oxum no candomblé), que acontece em frente à sua igreja, na Cidade Baixa, perto do Mercado Modelo.

Essas duas festas servem para inaugurar oficialmente o verão, a melhor época para curtir Salvador. Aê, aê, aê, aê, ê, ê, ê, ê, ô oô oô oô…

Não deve ser por acaso que as festas de largo ocorram no verão. Nesses três meses, o tempo é predominantemente firme (chove pouco mais de 100 mm a cada mês). O calor (máximas de 30ºC) é amenizado pela brisa constante perto do mar. O soteropolitano sai à rua para celebrar.

O Réveillon, por sinal, oferece uma excelente relação custo x benefício. A hotelaria não triplica os preços, como acontece nos vilarejos de praia (inclusive os dos arredores). Ano após ano, encontro tarifas sempre palatáveis para a hospedagem em Salvador. O Réveillon oficial da cidade é realizado na arena Daniela Mercury, na praia da Boca do Rio, e tem áreas gratuitas e espaços pagos. Mas há também muitas outras festas, pagas. Se não fizer questão de show, rompa a meia-noite na praia do Farol da Barra.

Mal dá para dormir. Na manhã de 1º de janeiro acontece a procissão marítima do Bom Jesus dos Navegantes — enquanto os barcos navegam enfileirados pela Baía de Todos-os-Santos, a festa profana toma conta da Cidade Baixa.

Durante todo o mês de janeiro e o período de fevereiro que antecede a folia, Salvador está em seu melhor momento: toda a energia do carnaval está no ar, sem a bagunça do carnaval. Éssa mágica acontece nos ensaios, que é o nome que os soteropolitanos dão para shows de blocos e cantores de axé, samba-reggae e pagode que funcionam também como bailes de pré-carnaval. Para uma época tão favorável para visitar, os preços de hospedagem são bastante comportados (talvez porque logo mais, durante o carnaval, cheguem à estratosfera).

Em meados de janeiro acontece a mais famosa das festas de largo: a Lavagem da Igreja do Senhor do Bonfim (Oxalá no candomblé). Trata-se de uma procissão de 8 km (com música e bebida…) entre a igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia e a colina do Bonfim. A data é móvel (e bem complicada de calcular): a festa é realizada na segunda 5a. feira depois do Dia dos Reis (6 de janeiro). Em 2020, a Lavagem do Bonfim acontecerá dia 16 de janeiro.

Já a festa de São Lázaro (Omolu no candomblé) é menos conhecida — acontece dia 28 de janeiro. Se você for à igreja de São Lázaro e São Roque, na Federação (fica entre o Rio Vermelho e a Barra, fora da orla), pode tomar um banho de pipoca de uma das várias mães de santo que estarão de plantão no largo.

Dia 2 de fevereiro, dedicado a Nossa Senhora dos Navegantes no calendário católico, é dia de festa no mar. A cidade acorre ao Rio Vermelho para saudar Iemanjá, na última grande festa de largo antes do carnaval.

Finamente, o Carnaval funciona como a apoteose da temporada de festas — e começa alguns dias antes do resto do Brasil. Em 2020, o Carnaval em Salvador vai de 4ª feira dia 19 de fevereiro até a manhã de 4ª feira de Cinzas, 26 de fevereiro. Leia sobre o Carnaval aqui.

Festas de largo: celebrando o sincretismo

Festa de Iemanjá Salvador

Festa de Iemanjá no Rio Vermelho

Sem liberdade para praticar a religião que trouxeram da África, os adeptos do candomblé passaram a associar seus orixás a santos católicos (um fenômeno que também aconteceu naturalmente em Cuba, mas com santos diferentes.)

Sorte dos santos. Suas festas nunca mais foram as mesmas: saíram das igrejas e ganharam as ruas. O sagrado foi obrigado a conviver com o profano — e hoje as datas católicas parecem um mero pretexto para as grandes festas do candomblé.

Música animada, bebida farta e multidões estão garantidas em toda festa de largo. E, claro, misturados ao povo, muitos batedores de carteira, verdadíssima na arte de surrupiar coisas do seu bolso ou da sua bolsa sem você perceber.

Não deixe de ir a uma festa de largo: é uma experiência 130% soteropolitana. Mas leve tudo de valor (documento, dinheiro, celular e um cartãozinho só — no máximo) numa doleira.

As grandes festas de largo ocorrem entre dezembro e fevereiro;

 

 

Março

Depois do carnaval, Salvador — exausta — descansa.

É como canta Rosa Passos: ‘Mês de março em Salvador, o verão está no fim‘.

Março é um mês de transição para a estação das chuvas, mas ainda bastante aproveitável. É um mês recomendável para quem quer pegar sol em Salvador mas não se interessa pela cultura do carnaval e do axé (setembro, outubro e novembro também são assim).

Voltar | Quando ir a Salvador | Topo

Abril e maio

Com mais de 300 mm de chuva cada um, abril e maio são os meses mais chuvosos do ano em Salvador. Se vier a Salvador nessa época, capriche nas atividades culturais — se der praia, será lucro.

Voltar | Quando ir a Salvador | Topo

Junho, julho

O pior do ‘inverno’ já terá passado, mas junho e julho ainda têm mais dias nublados e chuvosos do que você acharia razoável. O volume de chuvas diminui, mas ainda fica acima de 200 mm em cada mês.

No quesito temperatura, porém, é uma época bastante agradável, com mínimas de 21ºC e máximas de 26 ou 27ºC.

Junho tem uma atração extra: as festas juninas, que na Bahia são levadas muito a sério. As mais concorridas estão no interior, mas quem não consegue sair de Salvador encontra um arraial no Pelourinho.

Em julho, se você procura férias de praia, pode ter melhor sorte no litoral norte (Praia do Forte, Itacimirim, Imbassaí, Guarajuba, Costa do Sauípe), que é um pouquinho mais árido e deve ter mais dias de sol do que a capital.

Voltar | Quando ir a Salvador | Topo

Agosto, setembro, outubro e novembro

Em agosto as chuvas já costumam ficar abaixo de 150 mm, aumentando a chance de pegar alguns dias de praia. A festa mais importante do mês não acontece em Salvador, mas na cidade histórica de Cachoeira, no Recôncavo, a 100 km: a Festa de Nossa Senhora da Boa Morte, sempre entre 13 e 17 de agosto.

Em setembro, outubro e novembro as chuvas voltam ao patamar ligeiramente acima de 100 mm. O clima, portanto, já é de verão. O astral de verão, porém, ainda não está no ar: a cidade está guardando energia para quando começar a temporada festeira, em dezembro. Ou seja: época ótima para quem quer encontrar tempo firme e não procura nada relacionado a carnaval e axé.

Caso você tenha amigos em Salvador, tente programar uma viagem para estar na cidade no entorno de 27 de setembro, dia de Cosme e Damião. A festa é comemorada quase como um Natal. Além da distribuição de doces e balas para crianças, é costume fazer um caruru para reunir a família e amigos. O caruru, no caso, é apenas o prato mais importante de uma festa-de-babete que costuma incluir os principais quitutes baianos. Ser convidado para um caruru é uma honra — e uma oportunidade de participar de uma das mais gostosas tradições baianas.

Quantos dias em Salvador?

Salvador dicas

Amarrando fitinha do Bonfim… no Bonfim

Numa primeira viagem a Salvador, você vai precisar de 2 dias inteiros (ou seja: 3 noites) só para visitar as principais atrações. Se quiser tirar um dia para ir até Praia do Forte, vai precisar de 3 dias inteiros (4 noites).

Com mais dias, você pode ir além da turistagem básica e fazer uma viagem mais gostosa, aproveitando para pegar praia (se não for na época da chuva) e curtindo a noite sem o compromisso de acordar cedo no dia seguinte para cumprir as obrigações turísticas.

Será ótimo se um dos dias que você passar em Salvador seja uma terça-feira. Este é o dia em que mais coisas acontecem no Pelourinho.

FONTE: VIAJAR NA VIAGEM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *